Paula Belmonte: ‘Não podemos permitir que o crime de pedofilia seja tratado com uma doença’   – Agenda Capital

0
195

Deputada Paula Belmonte discursando na Câmara dos Deputados sobre o combate a pedofilia. Foto: Reprodução

Por Delmo Menezes

A deputada federal Paula Belmonte (Cidadania), usou a Tribuna da Câmara dos Deputados nesta segunda-feira (01/07), para falar sobre o crime de combate a pedofilia. A Organização Mundial de Saúde (OMS), classifica o crime de pedofilia como uma doença, desde os anos 60. De acordo com a parlamentar, isso pode interferir no julgamento dos abusadores.

“Precisamos urgentemente rever os conceitos e valores da nossa sociedade para acabar com maus tratos, inclusive sexuais, sofridos por nossas crianças. Daqui há alguns dias não poderemos mais falar sobre pedofilia”, disse a deputada.

De acordo com Paula Belmonte, “não podemos tratar tão grave problema, apenas com um discurso político. Hoje temos vários tipos de crimes contra a violência contra criança. O crime de exploração sexual, o crime de abuso sexual, mas a pedofilia não é crime. Não podemos colocar tudo no mesmo balaio. Não podemos permitir que o crime de pedofilia seja tratado como uma doença”, pontuou a parlamentar.

Sobre a pedofilia

Os pedófilos se infiltram na vida da criança e agem de acordo com as suas necessidades. Procuram se aproximar dando o que a criança quer, gosta ou precisa. Dessa maneira, o pedófilo diminui a chance dela se defender das situações de abuso e de negar seus pedidos. De modo geral o pedófilo recorre ao modo de aproximação com a criança que se inicia pela fabricação de interesses comuns, brincadeiras ou jogos, através das quais vai angariando amizades, aceitação e confiança da criança.

O pedófilo costuma apresentar-se como um adulto alegre, participativo e cooperativo, sempre disposto a atender o desejo ou a necessidade da pequena vítima, condições que, por vezes, passam despercebidos pelos pais. O pedófilo dá presentes (doces, brinquedos, roupas etc), geralmente sem motivo e as vezes exageradamente caros; conhece filmes, artistas e programas infantis (para criar interesses em comum); oferecem passeios sem a companhia dos pais; etc.

Qualquer pessoa pode denunciar um pedófilo. No Brasil, o principal canal de denúncias de crimes sexuais cometidos contra crianças e adolescentes é o Disque 100, coordenado e efetuado pela SEDH (Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República).

Da Redação do Agenda Capital