12 de agosto de 2022


De acordo com o Ministério da Justiça e Segurança Pública, em dez anos, houve um aumento de 24,4% no número anual de novos imigrantes registrados no Brasil.

As populações venezuelanas, haitianas e colombianas são as principais responsáveis pela alta. O levantamento mostra que, de 2011 a 2020, os maiores fluxos recebidos foram dos seguintes países:

O nigeriano Chidera Umenyiliora Ajulu Okeke, de 35 anos, chegou no Brasil em 2008 para estudar engenharia elétrica e trabalhar. Veio com dois irmãos e o destino, desde o início, já estava definido: Brasília.

Chidera até tentou seguir a carreira de engenheiro, mas a culinária, sua grande paixão, falou mais alto. Hoje, é dono de um restaurante de comida africana na Asa Sul.

“Fui cozinheiro na Nigéria e tive a ideia de abrir o restaurante aqui. Não tinha nada de restaurante africano. Tem peruano, mexicano. Depois da Copa de 2014, decidi seguir meu sonho”, conta o cozinheiro.

 

Chidera lembra que alguns amigos disseram que o negócio não daria certo e que os brasilienses não iam gostar da comida africana. “Fiquei com medo, mas abri e estamos abertos até hoje. Deu certo”.

Apaixonada por uma comida bem temperada, o nigeriano é fã da culinária brasileira e os pratos preferidos são galinhada e feijoada. Segundo ele, “os temperos lembram os da África”.

“No Brasil, me senti abraçado. É um país maravilhoso. O clima é muito parecido com o da Nigéria. Não quero sair daqui. Sou muito feliz”, diz Chidera.

 

O dia 25 de junho foi instituído no Brasil como o Dia do Imigrante em 1957, por meio de um decreto emitido pela Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo.

A data foi escolhida por ser o fim das celebrações da semana da Imigração Japonesa, comemorada a partir de 18 de junho.

Fonte: G1





Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.