12 de agosto de 2022




“Esse é um surto que pode ser parado”, disse Tedros Adhanom, nesta
quarta-feira

Nesta quarta-feira (27), a Organização Mundial da
Saúde (OMS) realizou uma nova reunião para anunciar as medidas de controle
contra a varíola dos macacos. Tedros Adhanom, diretor da OMS, fez recomendações
e pediu que “homens que fazem sexo com homens” diminuam o número de parceiros,
de relações sexuais e de exposição ao vírus. As informações são do Estadão.

– Esse é um surto que pode ser parado se os países
e regiões se informarem, levarem o risco a sério e derem os passos necessários
para impedir a transmissão e proteger os grupos vulneráveis. A melhor forma de
fazer isso é diminuir o risco de exposições. Para homens que fazem sexo com
homens, isso inclui, no momento, diminuir o número de parceiros sexuais,
reconsiderar o sexo com novos parceiros e trocar detalhes de contato com os
parceiros para possibilitar o acompanhamento, se necessário – declarou Adhanom.

LEIA TAMBÉM: 

Ainda de acordo com o diretor da OMS, “o estigma e
a discriminação podem ser tão perigosos quanto qualquer vírus e alimentar o
surto” da doença.

– O foco para todos os países deve ser engajar e
empoderar as comunidades de homens que fazem sexo com homens para reduzir o
risco de infecção e a transmissão contínua, oferecer cuidado aos infectados e
resguardar os direitos humanos e a dignidade – falou.

Ele ressaltou que, apesar de, no momento, a doença
se concentrar na comunidade de “homens que fazem sexo com homens”, qualquer
pessoa exposta pode contrair varíola dos macacos.

– Por isso a OMS recomenda aos países que também
cuidem de outros grupos vulneráveis, como crianças, gestantes e
imunodeprimidos.

Tedros disse também que a OMS segue não
recomendando a vacinação em massa contra a doença.

Segundo um estudo feito pela revista científica The
New England Journal of Medicine, 95% dos casos atuais de varíolas dos macacos
foram transmitidos por meio de contato sexual. A pesquisa foi feita em 16
países diferentes. Ela também mostrou que 98% dos infectados pertencem à
comunidade HSH (homens que fazem sexo com homens).


[ad_2]
Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.